Ainda não obteve resposta
Iberdrola - Faturação de eletricidade
Reclamação     182213
Apresentada em 28 de maio de 2013, por Catarina Ferreira da Silva Paraizo.
Motivo da Reclamação: Enganos

Venho por este meio reclamar da operadora de eletricidade Iberdrola. A referência do contrato em questão é 472070708. O titular é o meu pai, Serafim da Silva Paraizo., cujo nº de contribuinte é 131709879. A morada do contrato é Urbanização das Amendoeiras, Lote 10, Nº 144, 8365 Armação de Pêra. O motivo da queixa refere-se à leitura dos contadores. Esta é uma casa de férias sem ocupação desde a data do início do contrato, janeiro. O consumo é portanto zero, estando apenas obrigada a pagar as taxas fixas e impostos. Não obstante, a primeira factura enviada pela Iberdrola foi de 77,65 euros. A fatura data de 6 de fevereiro de 2013 e tem o nº 20130206010349030. O que pagávamos na EDP era uma conta mensal fixa de 16 euros. Desde então que temos procedido a várias queixas junto da operadora. Foi-nos aconselhado a dar todos os meses a leitura do contador para não se repetir o erro e prometeram-nos que iriam verificar o que se passava. O que acontece é que nunca nos foi devolvido este dinheiro pago indevidamente, nem creditado nas contas posteriores. Continuam a enviar nas faturas leituras de contador que não correspondem às que são enviadas pelo consumidor. Já telefonámos para a EDP a confirmar as leituras. O operador confirmou que as leituras que damos são as que eles dispõem. Fizemos um pedido de comprovativo das leituras e esperamos uma resposta da EDP há 3 semanas. Entretanto continuamos a pagar à Iberdrola valores inacreditáveis. Chegam a enviar mais do que uma fatura por mês. Fizemos imensas reclamações que não produziram qualquer efeito e continuam a dizer que têm razão. Não sabemos mais o que fazer. Será que nos podiam orientar?

1818

Ainda não obteve resposta

Comentários (2)

  • avatar
    Jaime da Costa Silva "Amigo" parece que entrou novamente em vigor uma lei que há muito tinha sido extinta.
    Pelos vistos não foi... É a lei do "salve-se quem puder".
    O pior de tudo é que as entidades que deveriam defender o consumidor nada fazem, apesar de continuarem a apregoar diariamente que existem e trabalham em prol e na defesa dos interesses dos consumidores portugueses. Treta!
    2013-05-28 15:26:45
  • avatar
    Catarina Paraizo É a conclusão a que chego também...
    2013-05-28 19:58:32

Apenas utilizadores registados podem fazer comentários.

Faça login e regresse novamente a esta página para comentar.